Fale Conosco pelo MSN ou Skype

 19 DE AGOSTO DE 2018

Email
HOME
QUEM SOMOS
Capacitação
Consultoria
PESQUISAS
NOTÍCIAS
Editorial
Destaques
Artigos / Entrevistas
Logística
Trânsito
Multimodalidade
Empresas
Comex - Mundo
Economia
Mercosul / Cone Sul
Tecnologia
Política
Legislação
Eventos e Cursos
Agência Intelog
ASSINE GRÁTIS
TODAS EDIÇÕES
INTELOG WIDGET
INTELOG TICKER
RSS
Entre em Contato
Tornar página inicial
Adicionar aos favoritos
Mapa do Portal
Recomendar
Imprimir esta página
Translate This Page

  Tempo



 

  Ferramentas

Calcule o tempo e as rotas para sua viagem
Show My Street - Passeio virtual pelas ruas do mundo
Flightradar 24 - Tráfego Aéreo em Tempo Real
Dados e Informações de Todos os Países do Mundo - IBGE
Veja a hora em tempo real no mundo todo - TimeTicker.com
Leia jornais de todo o planeta - Newseum.org

  19/08/2018   Internet das Coisas para Logística em debate - A Noruega cada vez mais investe no Brasil e a Tecnologia é uma das áreas de interesse. Há ...     19/08/2018   Parte I - Ruínas do Valongo - A missão - Lá se vão mais de 125 anos desde que o primeiros metros de cais do Porto Organizado de Santos re...     19/08/2018   A Arca de Noé do século XXI - A falsa polêmica sobre existir ou não mudança do clima no planeta é assunto que já aborrece os especialista...     19/08/2018   Conexão Caxias – século XXI - Mobilidade e conectividade são critérios essenciais para avaliar a qualidade de vida que uma cidade proporc...     19/08/2018   Greve dos caminhoneiros deixou bomba-relógio. Qual presidenciável vai desarmá-la? - Paralisação de maio escancarou a dependência do Brasi...     19/08/2018   A imprensa precisa fomentar discussões de políticas públicas de transporte com nossos candidatos - Vejo todos os dias notícias sobre tran...     19/08/2018   Trem do serviço turístico Rio-Minas chega a Três Rios - Nesta quarta-feira, 15 de agosto, chegou a cidade de Três Rios o Trem Turístico R...     19/08/2018   Workshop “Redução de custos na logística – Transporte marítimo e portos” - O Portogente realiza em São Paulo, no próximo dia 5 de setembr...     19/08/2018   China vai investir mais US$ 10 bi em ferrovias para estimular economia - PEQUIM – Pequim planeja aumentar os gastos com a construção de f...     19/08/2018   MRS Logística lança cartilha de prevenção de acidentes ferroviários - A empresa MRS Logística S.A está distribuindo cartilhas aos pedestr...  
Translate to EnglishTraducir al EspañolÜbersetzung der Deutschen意大利語翻譯Traduit en FrançaisTraduci in Italiano

Clique para ampliar

08/08/2018

O que vem antes, o trânsito ou a cidade?

Artigos / Entrevistas

Translate to EnglishTraducir al EspañolÜbersetzung der Deutschen意大利語翻譯Traduit en FrançaisTraduci in Italiano

Nota

?

0 votos

É impossível dizer em quantas velocidades diferentes se move uma cidade a cada instante (Ferreira Gullar)

ALEXANDRE PELEGI

O que move uma cidade são as pessoas, que se movem nas cidades. Quanto mais as pessoas se movem, mais a cidade se humaniza. Essa verdade quase pueril acaba esquecida na azáfama diária. No corre-corre dos compromissos rotineiros o individual acaba ocupando um espaço (físico e mental) que, por natureza, deveria ser pensado como uma conquista coletiva: as pessoas estão nas cidades para ficarem juntas, estreitar oportunidades, permitir trocas, gerar riquezas, permitir a convivência e a civilidade. O ser humano é gregário por natureza.

O poeta Ferreira Gullar, na elogiada obra “Poema Sujo”, escreveu: ”O homem está na cidade como uma coisa está em outra, e a cidade está no homem que está em outra cidade (…)”. Homens, mulheres, crianças, todos carregam a cidade dentro de si. Uma cidade violenta, desumana, excludente, produz pessoas estressadas, individualistas. Se quisermos mudar as pessoas é preciso mudar a forma como elas convivem nas cidades; como compartem os espaços; como vivenciam de forma comum seus sonhos e suas expectativas. Pessoas melhores farão cidades melhores.

O comportamento no trânsito é um exemplo emblemático de como as pessoas reproduzem o modelo de cidade em que vivem. O trânsito define de saída que o individual deve prevalecer sobre o coletivo quando exige regras para que algumas pessoas tenham direito ao uso de mais espaço público que outras. É quando o pedestre – curiosamente outro nome dado à pessoa, ao ser humano – é visto como uma interferência no fluxo de veículos (seres inumanos). Essa inversão de valores pressupõe uma construção de cidade que já nasce contaminada, predisposta a destruir espaços comuns em benefício de um uso seletivo, com mais direitos aos que possuem automóveis, e menos direitos aos que se utilizam (por livre opção ou necessidade) de modos ativos de locomoção.

Uma cidade que é moldada em função do uso intensivo do transporte individual motorizado produz, como consequência, uma série de efeitos colaterais. Dentre muitos, os mais visíveis são aqueles que vemos contabilizados nas graves estatísticas de mortos e feridos. Esta é a face visível ao que se convencionou chamar de “trânsito”. Mas o trânsito é um reflexo do modelo de cidade que adotamos, onde cabe preguntar: mas esta é a cidade que queremos?

A forma de se abordar o tema da segurança viária depende assim de como situamos a questão do trânsito nas cidades: ele deve ser visto como decorrência natural num modelo urbano aceito como o único possível, ou delimitado e dependente dentro de um modelo de cidade voltado para as pessoas? Ou sendo mais direto: o trânsito, ao invés de impor regras à cidade não deveria seguir as regras que a cidade lhe impõe? E assim permitir melhor qualidade de vida, maior democratização e qualidade no uso dos espaços públicos, menos emissão de poluentes, uma verdadeira vida em sociedade? Menos letalidade e menos custos para o sistema de saúde, ou em resumo, mais segurança nas ruas?

Desde que o uso do automóvel foi nos vendido como um imperativo necessário ao desenvolvimento e crescimento das cidades, o que temos vido desde então tem sido uma rápida degradação de vários indicadores de qualificação da vida urbana. Há alguns anos, ao provar do próprio veneno, muitas cidades perceberam que o automóvel tornou-se, ao invés de solução, um fator determinante de destruição dos tecidos urbanos.

Ailton Brasiliense, presidente da ANTP, lembra sempre que o transporte coletivo deve ser visto como um qualificador das cidades. Em outras palavras, o melhor antídoto aos malefícios causados ao meio urbano pelo abuso no uso do automóvel é a sua substituição por modos mais sustentáveis de locomoção, onde se somam, ao lado dos modos tradicionais de transporte coletivo, os modos ativos e sustentáveis, como o andar a pé e o uso da bicicleta dentro de um sentido de rede de transporte que preserva a essência maior de qualquer adensamento urbano: a vida em comum.

Sempre é bom relembrar: a Lei de Mobilidade Urbana, em vigência desde abril de 2012, já estabeleceu que os modos de transporte não motorizados e os serviços públicos coletivos terão prioridade sobre o transporte individual motorizado. O trânsito, ao invés de impor regras à cidade deve, portanto, seguir as regras que uma cidade feita para as pessoas determinar.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

 

Por Diário do Transporte - ALEXANDRE PELEGI

 

Qual a sua avaliação?

0 Comentários - Faça o seu comentário

Voltar

Compartilhar

Clique para ampliar

Leia Também

Parte I - Ruínas do Valongo - A missão

A Arca de Noé do século XXI

Conexão Caxias – século XXI

A imprensa precisa fomentar discussões de políticas públicas de transporte com nossos candidatos

Grandes mudanças no setor da mobilidade nas próximas décadas

Internet das Coisas para Logística em debate

Greve dos caminhoneiros deixou bomba-relógio. Qual presidenciável vai desarmá-la?

Trem do serviço turístico Rio-Minas chega a Três Rios

Workshop “Redução de custos na logística – Transporte marítimo e portos”

China vai investir mais US$ 10 bi em ferrovias para estimular economia

Mais...

 

Este site possui suporte ao formato RSS



Notícias em Tempo Real

   

Google
Pesquisa personalizada

       

 Powered by CIS Manager - Desenvolvido por Construtiva

Intelog - Inteligência em Gestão Logística